Sejam bem vindos ao blog da Estação Ecológica de Arêdes ! Aqui Você acompanha o que acontece na Unidade de Conservação situada no município de Itabirito e ainda participa de vários assuntos voltados a importância de conservar o nosso patrimônio natural e histórico cultural.

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

A IMPORTANTE PERMANÊNCIA !

Uma das várias espécies raras da flora protegidas na
 Estação Ecológica de Arêdes. (foto tirada 22/11/2018).


Olá caros amigos da conservação, estamos de volta, apesar de não termos saído! Após o período eleitoral no qual são vedadas as ações de publicidade como divulgar atos, ações, programas e demais trabalhos de órgãos e entidades do Poder Executivo, estamos aqui novamente para mostrar o que vêm ocorrendo na Unidade de Conservação  Estadual de Itabirito. 

Imagem de "canela de ema" (Vellozia squamata) em uma das importantes áreas de recarga hídrica em Arêdes,
 que contribui para o abastecimento de Itabirito.(foto tirada 22/11/2018)

Conforme já dito aqui no blog, considerando sua localização bem como seus atributos ecológicos peculiares, a região de Arêdes é de extrema importância para manter em funcionamento os chamados "serviços ecossistêmicos" para a população de Itabirito e região. Assentada sobre os mananciais de abastecimento hídrico de Itabirito e juntamente com o Complexo Arqueológico com as Ruínas de Arêdes - C.A.R.A a Estação Ecológica Estadual de Arêdes conserva a parte mais representativa que resta das espécies raras da flora, antes existente em quase toda a extenção da Serra de Itabirito (conhecida na região como "Serrinhas"). Estes três atributos são pilares essênciais dos quais a sociedade não pode abrir mão ...
Essa área protegida em meio aos grandes vizinhos minerários, demostra que a conciliação de Unidades de Conservação da Natureza com atividades produtivas é super possível e necessária, salvaguardando recursos que muitas vezes desconhecemos. Por essas e outras que é muito importante a permanência de áreas como esta, pois mudanças ocorridas em todo planeta reforçam a importância das Unidades de Conservação como áreas prioritárias para a conservação. 

Mais uma espécie rara, "pequenas gigantes" que se encontram na Estação Ecológica de Arêdes.(foto tirada 22/11/2018).
 Mais informações sobre está e outras importantes espécies da flora em breve aqui no blog. 









segunda-feira, 11 de junho de 2018

14 de Junho de 2018 - Aniversário da Estação Ecológica Estadual de Arêdes

Imagem da Estação Ecológica de Arêdes.


Olá Amigos da Cultura e Conservação ! No aniversário de 8 anos da Estação Ecológica Estadual de Arêdes resolvemos preparar uma surpresa que em breve será postada aqui no blog, assim como nas redes sociais. Como trata-se de uma Unidade de Conservação que visa a educação ambiental e patrimonial, juntaremos as riquezas de Itabirito,  pessoas e lugares, em uma só mistura !

Aguardem....

Imagem da Estação ecológica de Arêdes.


Moção ICOMOS Brasil a favor da Estação Ecológica Estadual de Arêdes

Durante a assembléia geral do ICOMUS, realizada em 25 de abril de 2018, esta organização não governamental presente em diversos países e que atua como consultor para a implementação de patrimônios mundiais, associada da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), decidiu enviar ao governador de Minas Gerais, aos deputados estaduais e ao Ministério Público Estadual uma moção alertando para as graves conseqüências da alteração dos limites da Estação Ecológica de Arêdes.
Segundo a moção, tal mudança na área da estação foi realizada sem a transparência e o diálogo necessário e também foi desprovida de qualquer avaliação técnica, o que coloca em risco o patrimônio arqueológico e natural que até então estava protegido por lei. Segundo o presidente do Icomos Brasil, Leonardo Barci Castriota, “a moção representa a preocupação do Icomos para que esse patrimônio natural e cultural não seja descaracterizado”. (Fonte: Blog Lei.A )

Leia o documento na íntegra:

MOÇÃO DO ICOMOS-BRASIL

Excelentíssimo Senhor Governador,
O Conselho Internacional de Monumentos e Sítios/ICOMOS-BRASIL durante a sua Assembléia Geral realizada no dia 25 de abril de 2018, durante o seu Segundo Simpósio Científico, ocorrido em Belo Horizonte, capital mineira, vêm à presença de Vossa Excelência e aos Excelentíssimos Senhores Secretários de Estado e Deputados Estaduais de Minas Gerais, ao Senhor Diretor Geral do IEF e ao Ministério Público Estadual, expressar a nossa grande preocupação quanto às graves conseqüências relativas à aprovação do artigo 84 da Lei nº. 22.796/2017 que altera os limites da Estação Ecológica de Arêdes-EEA.
Essa Lei foi publicada no “Diário do Legislativo” em 28 de dezembro de 2017. A alteração da área da Unidade de Conservação foi realizada sem a transparência e os diálogos necessários.
A Estação Ecológica de Arêdes foi criada com o objetivo principal de proteger os mananciais de abastecimento humano no alto Rio das Velhas, do patrimônio arquitetônico vernacular e arqueológico, bem como, remanescentes dos Biomas Cerrado e Mata Atlântica.
Não obstante proporcionar uma significativa alteração nos limites da Estação Ecológica de Arêdes subtrai uma grande e importantíssima gleba munida dos principais conjuntos de ruínas de alvenaria de pedras do período colonial da área original dessa relevante Unidade de Conservação; o que demonstra que tal medida foi totalmente desprovida de uma mínima avaliação técnica e de uma discussão junto à sociedade.
Assim sendo, apelamos as Vossas Excelências que revertam os efeitos de tal artigo, evitando que suas danosas conseqüências se instalem comprometendo a integridade e a conectividade do riquíssimo patrimônio cultural e ambiental existente nessa Unidade de Conservação.
Respeitosamente,

ICOMOS-BRASIL


terça-feira, 5 de junho de 2018

DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE!


Imagem da Estação Ecológica Estadual de Arêdes.

05/06/2018, Dia Mundial do Meio Ambiente.

       SER SUSTENTÁVEL É SER RENOVÁVEL!

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Valorização Ambiental e Cultural




Interação dos parceiros em uma das áreas do C.A.R.A. (Complexo Arqueológico de Aredes)     



Olá amigos da natureza e da cultura ! As atividades em prol da preservação da região de Aredes continuam e a cada dia, mais pessoas estão aderindo a esta causa, por conhecer os vários atributos que existem nesta bela região de Itabirito. No último dia 28 foi realizada, pelo Observatório de Leis ambientais (Lei.A)oficina de midiativismo no distrito de São Gonçalo do Bação e visita guiada na região do complexo arqueológico de Arêdes, que contou com a presença de moradores, ambientalistas e funcionários da Estação Ecológica de Arêdes.  



Avistando a lagoa a partir da fundição

Foram realizados debates, atividades voltadas a preservação ambiental e cultural e uma visita guiada até as ruínas do complexo arqueológico de Arêdes na Estação Ecológica. Todos puderam aprender técnicas de fotografia e comunicação voltadas a mobilização social. A própria comunidade vêm se movimentando e aumentando seu envolvimento cada vez mais com a região de Aredes e suas riquezas naturais e culturais! 

Conhecendo a relevância histórica de uma das lembranças do início da formação de Itabirito

Nas redes sociais você também pode manifestar seu apoio em defesa da unidade de conservação.

-link assembléia (vote a favor da conservação!)

Situação atual da tentativa de desafetação

Em relação a manobra que tenta desafetar descaradamente uma área já definida como prioritária para conservação, algumas ações vem sendo tomadas e demonstram a tamanha importância dessa região de Itabirito e que abriga riquezas naturais únicas bem como vestígios do final do século  XVII e início da formação do município de Itabirito, entre elas, estruturas como a primeira capela conhecida de São Sebastião.

Ações:

* O conselho consultivo da Estação Ecológica Estadual de Arêdes, composto por entidades e empresas da região aprovou uma moção onde solicita que seja designado relator para o Projeto de Lei nº 4940/2018, protocolado em 22 de fevereiro de 2018, junto às Comissões de Constituição e Justiça e Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, para posterior votação junto ao Plenário desta Assembléia Legislativa.

 O ICOMOS, o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios, é uma organização não governamental global associada à UNESCO, durante sua assembléia geral, realizada em 25 de abril, o Icomos Brasil decidiu enviar ao governador de Minas Gerais, aos deputados estaduais e ao Ministério Público Estadual uma moção alertando para as graves consequências da alteração dos limites da Estação Ecológica de Arêdes. Segundo a moção, tal mudança na área da estação foi realizada sem a transparência e o diálogo necessário e também foi desprovida de qualquer avaliação técnica, o que coloca em risco o patrimônio arqueológico e natural. Segundo o presidente do Icomos Brasil, Leonardo Barci Castriota, “a moção representa a preocupação do Icomos para que esse patrimônio natural e cultural não seja descaracterizado” 

* O Ministério Público do Estado de Minas Gerais ajuizou Ação Civil pleiteando o reconhecimento do Conjunto Arqueológico de Arêdes como área especialmente protegida, dada sua relevância para a história de Minas Gerais.  O MPMG pediu urgência na implementação de medidas para a proteção da unidade, que abriga um significativo conjunto de ruínas de construções do início do Cilco do Ouro e vários outros vestígios histórico-arqueológicos (canais, catas, muros de contenção) permite considerá-la como um importante complexo arqueológico, apresentando ainda, grande potencial para estudos e pesquisas.

* Além da declaração do valor cultural e o reconhecimento do conjunto como área especialmente protegida, o Ministério Público requer também na ação que o município de Itabirito fique impedido de expedir qualquer autorização que acarrete a deterioração do local.

* A pedido do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), a Justiça concedeu tutela de urgência proibindo a prática de atos que destruam, inutilizem ou deteriorem o Complexo Arqueológico de Arêdes, localizado em Itabirito, cuja área está definida em dossiê de tombamento elaborado pelo município. A decisão determina ainda que o município não expeça qualquer autorização, licença ou anuência para essas práticas. A decisão foi proferida em Ação Civil Pública (ACP) proposta pelo MPMG contra o município de Itabirito, com o objetivo de preservar a área de 1.196,63 hectares, que abriga um patrimônio arqueológico de relevância atestada pela Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico e da Central de Apoio Técnico do MPMG e pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA-MG).

Interior de uma das casas.                      

E assim continuamos juntos em prol da conservação, e na luta pela reintegração da área conforme os limites reais estabelecidos da Estação Ecológica de Arêdes, que foram assim definidos após anos de  planejamentos e estudos. 

quinta-feira, 22 de março de 2018

Valorizar a ÁGUA. Valorizar a VIDA !

Imagem de uma das cabeceiras do Ribeirão Arêdes, localizada na Estação Ecológica de Arêdes. "Cachoeira do Meio"

    Olá amigos da conservação ! Estamos aqui, hoje dia 22 de Março o "Dia Mundial da Água", data comemorativa criada pela ONU  em 1983 para lembrarmos da importância de cuidarmos do bem primordial para existência da vida, a Água. Em 2018, o tema abordará o uso de soluções baseadas no meio ambiente para resolver problemas de gestão dos recursos hídricos. Com a campanha “A resposta está na natureza”, as Nações Unidas abordarão como estratégias de preservação e restauração ambiental podem proteger o ciclo da água e melhorar a qualidade de vida da população. Mas e nós, os seres humanos, o que temos realmente feito para poupar e preservar de fato este bem tão precioso?

Imagem da internet: Site: WWF Brasil.

  A Estação Ecológica Estadual de Arêdes garante a proteção de vários cursos d'água , nascentes e regiões de recarga hídrica que contribuem para o abastecimento da região de Itabirito. Lembrando que um dos objetivos de criação da Unidade de Conservação é justamente este, garantir a preservação destes mananciais. Assim lembramos que é responsabilidade de  todos cuidar deste bem, fundamental para nossa vida... E assim seguimos com os trabalhos em prol da conservação.


Córrego Benevides, na Estação Ecológica Estadual de Arêdes.




A Resposta está na natureza!




sexta-feira, 16 de março de 2018

CONSERVAÇÃO A TODA PROVA !


Imagem de uma das estruturas Arqueológicas na região da Estação Ecológica Estadual de Arêdes.

   Há quase oito anos de criação da Estação Ecológica Estadual de Arêdes, mais uma vez a Unidade de Conservação (U.C) é alvo de tentativa de mudança de seu perímetro pelo interesse de uma pequena empresa.

 Esta mudança abre o precedente para causar vários impactos nas unidades de conservação de Minas Gerais. Especificamente em Arêdes, essa desafetação pretende tirar a proteção que a Unidade de Conservação exerce sobre áreas importantes para recarga hídrica da cabeceira do Rio das Velhas, essências para o abastecimento da cidade de Itabirito. Estas áreas, contém um importante sítio histórico-arqueológico, localizados em terrenos já pertencentes ao Estado. Em troca, incluiu-se áreas de outras empresas dentro da Estação Ecológica, gerando mais conflito e ônus abundante ao Estado, devido a necessidade de desapropriação.

 Tudo isso comprovadamente para beneficiar uma única empresa, esta que foi fintada ao comprar um direito minerário em uma área de preservação ambiental com testemunhos do início da história de Minas Gerais e do Brasil, bem como possuidora de atributos ecológicos únicos, na já injuriada Serra do Pico de Itabirito.
                                                                  
Imagem do Ribeirão Arêdes, um dos cursos d'água afluente do Rio Itabirito na Estação Ecológica Estadual de Arêdes.

 
    O Projeto de Lei (PL) 3.677 teve origem na Comissão Extraordinária de Barragens, e basicamente propunha formas de conseguir mais recursos para os órgãos de fiscalização ambiental. Dentro dos órgãos ambientais estaduais, a proposta de lei era bem vista. Originalmente, o PL possuía cinco artigos, porém, foi aprovado com 94 artigos. Era para ser uma lei a favor da fiscalização das barragens de rejeito e da recuperação de áreas degradadas pela mineração em Minas Gerais, mas acabou se tornando um Frankenstein que liberou mais de cem hectares de uma área protegida repleta de ruínas históricas, nascentes e espécies ameaçadas de extinção em favor de uma mineradora cujas barragens sequer tinham estabilidade garantida, de acordo com a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam). O artigo 84 deste PL de forma sutil desafeta importante área da Estação Ecológica de Arêdes. A tentativa de mascaramento foi tamanha que não há menção à palavra Arêdes no artigo 84, que determina a supressão da área. 

Mesmo sendo uma proposta tecnicamente e legalmente inviável, a obscura e arbitrária tentativa de desafetação reaparece, da mesma forma que os trabalhos em prol da proteção dessa área também continuarão.





Imagem da Estação Ecológica Estadual de Arêdes. (Trecho de recarga hígrica. Foto 2011)


 "sair daqui com o corpo, a mente fortalecida para as batalhas que virão"

                                                                                              
                                                                                                      Marielle Franco


FONTE: O Beltrano. / LEI.A





segunda-feira, 5 de março de 2018

COMUNICADO


Informamos em nome do Instituto Estadual de Florestas que a Estação Ecológica de Mar de Espanha, na Zona da Mata Mineira, está temporariamente fechada em função do risco de contaminação de febre amarela. A medida recomendada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) visa garantir a segurança da população, tendo em vista que foram confirmadas mortes de macacos nessa área, em decorrência da doença. O alerta vale para outras seis unidades de conservação, que não estão fechadas, mas se localizam no entorno de áreas onde houve morte de primatas. Os macacos não transmitem a febre amarela a humanos, mas a morte deles é um indicativo da circulação do vírus. Orientamos a população dessas regiões que procure um posto de saúde e atualize o cartão de vacina. Pessoas entre 9 meses e 59 anos devem se vacinar. Apenas uma dose é suficiente para garantir a proteção ao longo de toda a vida. A cobertura vacinal no Estado de Minas Gerais atingiu 81%, mas a meta é de 95%.

Os Parques Estaduais Serra do Rola Moça e Itacolomi estão com visitação e atividades recreativas temporariamente suspensas. No Parque Serra do Rola Moça, a medida foi adotada depois de um morador de Brumadinho, na Grande BH, ser internado no Espirito Santo com o diagnóstico de febre amarela. Além dele, um vizinho morreu por causa da doença. Os dois casos foram confirmados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES).

UNIDADE TEMPORARIAMENTE FECHADA:
* Estação Ecológica de Mar de Espanha

UNIDADE COM ATIVIDADES TEMPORAIAMENTE SUSPENSAS:
* Parque Estadual Serra do Rola Moça
* Parque Estadual do Itacolomi

UNIDADES EM ALERTA (Devido à proximidade de áreas onde houve morte de primatas):
* Estação Ecológica do Cercadinho
* Parque Estadual Serra Verde 
* Parque Estadual da Baleia
* Refúgio de Vida Silvestre Libélulas da Serra de São José
* Parque Estadual do IbitipocaAPA Cachoeira das Andorinhas
* APA São José
APA Seminário Menor de Mariana
EE Arêdes
EE Tripuí
FLOE Uaimíi
MN Itatiaia
MN Pico do Itabirito
MN Serra da Moeda
MN Serra do Gambá
PE Serra do Ouro Branco
REVS Libélulas da Serra de São José

sexta-feira, 2 de março de 2018

A arte em prol da conservação !

Imagem da Estação Ecológica de Arêdes.

 Arêdes, no Colo de Minas, chão de Mineiro!

Minas traz em seu colo
Paisagens de fascínio e beleza
Os mais nobres metais
Muitos raros minerais
Lembranças da realeza
Que outrora pisou seu solo

Desde o céu ao pé do morro
Tudo era abençoado
Agora, o bicho fugiu
A lama ofendeu o rio
Mineiro desconsolado 
E a vida pede socorro! 

Inconteste Arêdes surge
De um patrimônio guardiã
Ferida por mãos indolentes
Sangrando suas nascentes
Esperança do amanhã
Na providência que urge

Sendo joia preciosa
A cobiça a persegue
E com ela a reboque
Certeira como um bodoque
Transtorna o seu talvegue
Por manobra perniciosa

Grito rouco sem alarde
Carecendo de um mais forte
Por uma forte razão
Em defesa do teu chão
Para que o mal deporte
Antes que seja tarde...  

Lorena Carmen Folda, Bióloga Esp., responsável pela coordenação executiva dos trabalhos de elaboração do Plano de Manejo da Estação Ecológica Estadual de Arêdes. 

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Todos unidos em prol da proteção da Estação Ecológica de Arêdes !

Imagem (LEI.A.ORG)

LEI.A é uma iniciativa da Associação dos Observadores do Meio Ambiente e do Patrimônio Cultural de Minas Gerais, com o apoio do Ministério Público de Minas Gerais. A Associação dos Observadores é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 2016. Tem como objetivo a defesa e a conservação do meio ambiente e do patrimônio histórico cultural. 

O Lei.A recebe o aval e o apoio do Ministério Público. Desta forma, busca desenvolver as atividades de controle social e empoderamento da população de forma independente, ou seja, sem depender de patrocínios ou apoio de empresas privadas. Por meio da plataforma, é possível pesquisar dados ambientais georreferenciados em todos os municípios mineiros, além de interagir diretamente com os deputados estaduais sobre as leis e mudanças na legislação ambiental. 


 blog do Lei.A também disponibiliza notícias atualizadas sobre os processos legislativos ambientais, incluindo uma agenda semanal, e outras informações sobre o tema, sempre com uma forma transparente e de fácil entendimento para todos.

Conforme o Lei.A apurou, a área que ficou desprotegida está no coração da Estação Ecológica de Arêdes e atinge todo o conjunto de ruínas desta unidade de conservação. 



Imagem da Estação Ecológica de Arêdes.

Em 2017, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) já havia impedido a mesma proposta de alteração dos limites da Estação Ecológica de Arêdes declarando como inconstitucional a Lei Estadual nº 21.555, de 2014. O pedido foi feito à época pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por meio da Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ), que propôs uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) após detectar “vícios formais e materiais” na lei.
Imagem da Estação Ecológica de Arêdes.


Fonte: LEIA.ORG.